Quais são as opções de tratamentos para quem sofre com a síndrome do ovário policístico?

Imagem de destaque do Artigo: Quais são as opções de tratamentos para quem sofre com a síndrome do ovário policístico?
16/08

Inúmeras mulheres acreditam que cistos no ovário possuem relação com a síndrome do ovário policístico – SOP. Porém, é preciso entender que uma coisa não está associada à outra, não necessariamente. A SOP nada mais é do que uma disfunção metabólica e, por isso, não é um problema que se diagnostica so...

Inúmeras mulheres acreditam que cistos no ovário possuem relação com a síndrome do ovário policístico – SOP. Porém, é preciso entender que uma coisa não está associada à outra, não necessariamente. A SOP nada mais é do que uma disfunção metabólica e, por isso, não é um problema que se diagnostica somente por meio de exames de imagem.

Através de uma análise completa do metabolismo de cada uma das pacientes, a anamnese metabólica, eu consigo identificar exatamente qual é o seu real problema.

Parece um pouco confuso, não é mesmo? Hoje, em meu artigo, vou explicar um pouco mais sobre a SOP e quais são os tratamentos existentes para você que também sofre deste mal, tantas vezes incompreendido. 

O que é realmente a síndrome do ovário policístico?

Se você possui cistos no ovário, isso não necessariamente indica que você possua a presença desse transtorno. A síndrome do ovário policístico é, na realidade, um distúrbio que ocasiona em alterações no nosso metabolismo. O que por consequência acaba interferindo de maneira direta nos níveis hormonais, ou seja, em sua ovulação. 

Quais os sintomas da SOP? 

Por ocorrer o aumento dos hormônios andrógenos, mulheres que sofrem com a síndrome do ovário policístico normalmente apresentam características masculinas. E na contramão do que muitas acreditam, não necessariamente as pacientes irão sentir fortes dores ou contrações, como muitos associam ao distúrbio.

Entre os principais sintomas, devo destacar:

•Sobrepeso ou obesidade;

•Surgimento de erupções na pele – acne;

•Distribuição de pelos masculinos – hirsutismo;

•Oligomenorreia – menstruação em intervalos maiores;

•Menstruação irregular;

•Cansaço;

•Alta no índice glicêmico;

•Maior dificuldade para engravidar – não causando esterilidade.

Tratamentos convencionais para SOP

Você certamente deve ter lido muitas coisas na internet, que acaba relacionando a SOP com cistos no ovário. E poucos textos analisam a SOP como uma síndrome metabólica.  Para você entender melhor, mulheres que possuem cistos nos ovários não necessariamente sofrerão algum tipo de deficiência em sua saúde. Diversos médicos acabam tratando de maneira errada a síndrome do ovário policístico.

A maioria indica a utilização de anticoncepcionais hipoandrogenizantes – e acabam tornando as pacientes escravas de um tipo de medicação, que em muitos casos só irão mascarar a SOP. É preciso efetuar uma investigação acentuada, analisando cada um dos sintomas que estão se manifestando na paciente para, assim, encontrar o tratamento mais adequado.

Associação de tratamentos para SOP

O principal objetivo do tratamento da SOP é conseguir suprimir a grande produção androgênica que ocorre no metabolismo – estimulada pela maior elevação do LH e ainda mais facilitada pela resistência insulínica –, regularizar o ciclo menstrual e, claro, atuar na redução de riscos de desenvolvimento de doenças cardiovasculares e diabetes mellitus tipo 2.

A resistência insulínica vem apresentando um importante papel no desenvolvimento da SOP, exatamente porque a incidência do excesso de insulina estimula a secreção dos androgênios. Quando conseguimos abaixar os níveis de insulina e aumentar sua sensibilidade, melhoramos significativamente os sintomas da SOP. E é por isso que, a utilização de metformina vem se tornando cada vez mais, uma das escolhas mais assertivas para o tratamento.

É preciso ter muito claro que toda e qualquer droga possui seu efeito colateral, e é preciso avaliar todos os benefícios e riscos que ela poderá acarretar em seu organismo. 

Caso queira obter mais informações, conheça o meu canal no Youtube. Até a próxima!

Drª. Paula Leal, CRM 93528.

Já conheçe nosso perfil do Instagram?