Síndrome do Ovário Policístico: Quais as causas mais comuns e como identificar os sintomas?

Imagem de destaque do Artigo: Síndrome do Ovário Policístico: Quais as causas mais comuns e como identificar os sintomas?
14/08

Síndrome do Ovário Policístico: Quais as causas mais comuns e como identificar os sintomas? Você sabe o que é a Síndrome do Ovário Policístico? É uma doença que afeta mais de dois milhões de brasileiras todos os anos. Pode ser que você já tenha ouvido falar sobre ela, mas já se perguntou como e...

Síndrome do Ovário Policístico: Quais as causas mais comuns e como identificar os sintomas? 

Você sabe o que é a Síndrome do Ovário Policístico? É uma doença que afeta mais de dois milhões de brasileiras todos os anos. Pode ser que você já tenha ouvido falar sobre ela, mas já se perguntou como ela afeta o corpo da mulher? 

É sobre isso que eu vou falar hoje! A seguir, confira algumas informações importantes sobre as causas mais comuns da Síndrome do Ovário Policístico e entenda como é possível identificar os sintomas. 

O que é a Síndrome do Ovário Policístico? 

A Síndrome do Ovário Policístico (SOP) é um distúrbio que costuma afetar 20% das mulheres durante a fase reprodutiva. Antes de explicar o que é a SOP, é preciso entender que, durante o processo de ovulação, surgem alguns cistos que fazem parte do funcionamento dos ovários e que desaparecem após o ciclo menstrual. 

Em algumas mulheres, porém, ocorre um desequilíbrio hormonal que impede que os cistos desapareçam. O resultado é uma modificação da estrutura ovariana, o que pode tornar os ovários até três vezes mais largos do que o normal, levar à produção de hormônios masculinos em excesso e diminuir a frequência de ovulação. 

Quais são as causas mais comuns? 

Apesar de as causas da SOP não serem totalmente conhecidas, acredita-se que seja uma característica genética. Mulheres com casos na família tem 50% de chance de apresentarem a síndrome. 

A origem da doença pode estar diretamente relacionada ao excesso de produção de insulina pelo organismo. A alta quantidade dessa substância no sangue da mulher, chamada de hiperinsulinemia, provoca o desequilíbrio hormonal responsável pela síndrome. 

Como identificar os sintomas? 

Os principais sintomas da SOP são ciclos menstruais irregulares, dificuldades para engravidar e menor frequência de ovulação. A síndrome também pode favorecer o desenvolvimento de outros problemas, como diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares e obesidade. 

Além disso, devido ao excesso de hormônios masculinos presentes no corpo da mulher (hiperandrogenismo), podem ser notados sintomas anormais, como queda de cabelos, manchas na pele, oleosidade, cravos e espinhas, crescimento anormal de pelos e aumento do peso. 

Apesar de nem todas apresentarem os sintomas citados, os mais comuns são a irregularidade menstrual e os sinais acompanhados pelo excesso de hormônios masculinos. 

Qual a importância do diagnóstico? 

O diagnóstico da SOP é fundamental para que a mulher possa ser tratada de maneira adequada. Também serve para excluir outras doenças que costumam apresentar sintomas semelhantes, como problemas na tireoide ou na glândula suprarrenal. Por isso, costumo dizer que o diagnóstico deve ser de exclusão. 

Principais tratamentos 

Após o diagnóstico, é muito importante que a mulher saiba quais os tratamentos indicados para a SOP, pois é somente com acompanhamento médico que a síndrome pode ser controlada. 

A forma mais comum e eficaz de se fazer isso é por meio de medicamentos, que variam de acordo com as características da paciente. Prática de exercícios físicos, alimentação balanceada e tratamentos cosméticos também podem ser indicados pelo médico, quando necessários. 

Se você quer saber mais sobre os principais tratamentos para a Síndrome do Ovário Policístico, eu preparei um texto para falar especialmente sobre o assunto. Fiquem ligados no meu próximo post. 

Drª. Paula Leal, CRM 93528.

Já conheçe nosso perfil do Instagram?