Como a vitamina D interfere no desempenho do atleta?

Imagem de destaque do Artigo: Como a vitamina D interfere no desempenho do atleta?
06/03

A falta de vitamina D no organismo afeta diretamente o desempenho dos atletas. O nutriente é primordial para a recuperação muscular. Ele também pode garantir uma vida saudável para pessoas que fazem exercícios, especialmente aqueles que exigem bastante resistência. Atuando em nosso corpo como um horm...

A falta de vitamina D no organismo afeta diretamente o desempenho dos atletas. O nutriente é primordial para a recuperação muscular. Ele também pode garantir uma vida saudável para pessoas que fazem exercícios, especialmente aqueles que exigem bastante resistência.

Atuando em nosso corpo como um hormônio diretamente na função muscular, a vitamina D regula as os processos inflamatórios e reduz significativamente as dores causadas durante os treinos de alto desempenho. 

Principais efeitos da Vitamina D no corpo dos atletas

A presença no organismo eleva a absorção de cálcio em órgãos, como o intestino e rins, o que favorece a formação óssea, aumentando o ganho de massa muscular. Como isso, os riscos de quedas, pelo fortalecimento de músculos de ossos, são reduzidos, o que melhora consideravelmente o desempenho dos atletas.

Além disso, melhora a resistência à insulina em casos específicos de diabetes, agindo diretamente na diminuição dos efeitos da artrite reumatoide, lúpus, entre outras doenças autoimunes como esclerose múltipla.

A Vitamina D também é responsável pela manutenção do sistema imunológico e do crescimento celular. A sua falta pode levar a complicações de saúde como depressão, fraqueza muscular, sem falar na vulnerabilidade às doenças ósseas, o que poderia reduzir bastante o condicionamento físico.

Fontes de vitamina D

O sol é responsável por cerca de 80 % ou 90 de toda a vitamina D que o nosso corpo absorve. O consumo médio necessário de vitamina para um adulto é de 5 microgramas por dia, o que pode ser facilmente conseguido com um exposição de 20 minutos diários ao sol.

Porém alguns alimentos também podem fornecer vitamina D ao nosso corpo, em especial alimentos de origem animal como peixes carnes e mariscos, bem como em ovos, leite, fígado, queijos e cogumelos.

A polêmica suplementação com vitamina D

Após a descoberta realizada por pesquisas científicas que comprovam que a vitamina D eleva a taxa da síntese proteica, aumentando o tamanho da fibra muscular e melhora a capacidade de exercício, se tornou comum a suplementação, a fim de promover a melhora no desempenho físico.

Apesar dos efeitos positivos, não existe entre os especialistas uma uniformidade de opiniões quanto à dosagem ideal da vitamina D para o organismo. Em conta partida, grandes doses semanais dessa vitamina são fornecidas para que atletas profissionais aumentem o seu desempenho físico. 

Mas é importante fazer ressalvas quanto ao consumo excessivo, uma vez que os efeitos desse consumo ainda passam por um processo de investigação sendo desconhecidos os impactos causados ao sistema endócrino.

Efeitos colaterais do excesso de vitamina D no organismo

Como a vitamina D aumenta a absorção de cálcio pelo organismo, em níveis elevados na corrente sanguínea essa ingestão pode causar sintomas como distúrbio digestivo, náuseas, vômito, dor de estômago, tonturas, confusão mental e sede excessiva entre outras complicações.

Diante dos fatos, torna-se necessário realizar uma pesquisa sobre os efeitos colaterais, causados pelo consumo excessivo dessa vitamina. Só assim, vai ser possível alcançar o equilíbrio entre o consumo responsável e otimização dos resultados de atletas de alta performance. Afinal, mais do que a conquista ótimos resultados, a medicina esportiva deve estar a serviço do bem estar e da saúde.

Drª. Paula Leal, CRM 93528.

Já conheçe nosso perfil do Instagram?